domingo, 26 de dezembro de 2010

A minha filha e o senhor

Mulher: Me perdoe padre pois eu pequei. Faz dezenove anos desde a minha última confissão.

Jovem Padre: Dezenove anos? Dezenove anos é muito tempo minha filha.

Mulher: Foi na minha primeira comunhão.

Jovem Padre: Você quer dizer que só fez a primeira confissão?

Mulher: Bom… É.

Jovem Padre: Tudo bem. O importante é que você resolveu fazer a segunda.

Mulher: Claro.

Jovem Padre: Bom, já vi que essa vai ser uma confissão longa.

Mulher: Longa?

Jovem Padre: Dezenove anos de pecado é muita coisa.

Mulher: Ué. E quem disse que eu pequei tanto assim?

Jovem Padre: Minha filha, todos somos pecadores. Até a mais correta das Irmãs Marcelinas peca diversas vezes ao dia.

Mulher: Mas não precisa confessar tudo, né?

Jovem Padre: Claro que não, minha filha. Claro que não. Só mesmo os pecados capitais. Ou os que você julgar mais… mais…

Mulher: Pesados?

Jovem Padre: Bom. Eu ia usar outro termo. Mas acredito que pesado cabe neste caso.

Mulher: Pesado cabe?

Jovem Padre: Pesado cabe.

Mulher: Pesado cabe. Pesado cabe. Bom. Então vamos lá. (pausa) Eu devo começar pela ordem cronológica ou de trás pra frente?

Jovem Padre: O que você preferir.

Mulher: De trás pra frente.

Jovem Padre: Então vamos de trás pra frente.

Mulher: Bom. O meu último pecado pesado…

Padre: Sim…

Mulher: Ai, que vergonha.

Padre: Não precisa ter vergonha, minha filha. Lembre-se de que eu sou só o ouvido de Deus. Você não deve pensar em mim como uma pessoa.

Mulher: É justamente essa a questão.

Padre: Que questão?

Mulher: Do pecado.

Padre: Do seu último pecado.

Mulher: Do meu pecado corrente.

Padre: Pecado corrente? Pecado pesado como uma corrente?

Mulher: Não, padre. Pecado correte, pecado corrente.

Padre: Que você carrega amarrado ao seu corpo, como uma corrente.

Mulher: Não.

Padre: Que você exibe para todos como uma corrente no pescoço.

Mulher: Meu Deus, não tem metáfora! Corrente no sentido de que está correndo. De que é presente. De agora.

Padre: Seja mais clara.

Mulher: É que o meu último pecado meio que ta em curso. (pausa). Eu to pecando.

Padre: Está pecando?

Mulher: Neste momento.

Padre: Como assim, minha filha?

Mulher: Por ter entrado no seu confessionário. Por estar aqui, falando com o senhor.

Padre: Minha filha, a confissão está longe de ser um pecado.

Mulher: Mas é que eu to com tesão no senhor.

longa pausa

Padre: Minha filha, a confissão está longe se ser um pecado…

Mulher: Padre, você não ouviu o que eu disse?

Padre: Ela é um sacramento…

Mulher: Padre…

Padre: Que começa na primeira comunhão…

Mulher: Padre!

Padre: E acompanha o fiel até o leito de sua morte.

Mulher (alto): Padre, eu disse que to com tesão no senhor!

pausa mais longa que a anterior

Padre: Bom… É… De fato você tem um pecado corrente.

Mulher: Na verdade eu nem ia me confessar, sabe? Pra ser sincera, eu não sou muito religiosa… Eu até faço sinal da cruz quando vejo gente atropelada na rua e pulo as sete ondas no Réveillon. Mas igreja, igreja… Só casamento e batizado, sabe?

Padre (nervoso): Sei minha filha, sei…

Mulher: Mas hoje eu tava passando aqui na porta daí eu vi você… quer dizer… o senhor. (pausa) Ai, tão esquisito te chamar de senhor. Tu deve ter a minha idade, né não?

Padre: Vamos voltar ao pecado corrente, minha filha… Pecado corrente.

Mulher: Ai, desculpa. Enfim. Eu vi você entrando no confessionário lá da rua. Eu te achei tão gatinho, mas tão gatinho. E não foi só porque eu te achei gatinho não. É que. Sei lá… Eu acho que… Rolou.

Padre: Rolou?

Mulher: É. Rolou.

Padre: Rolou o quê, minha filha?

Mulher: Pára de me chamar de filha que se bobear eu sou mais velha que tu. Aliás, quantos anos você tem?

Padre: Isso não faz parte do sacramento da conf…

Mulher: É só uma perguntinha, padre.

Padre: É… 27.

Mulher: Jura?

Padre: É. Por quê?

Mulher: É que o senhor parecia ser mais novinho.

Padre: É mesmo? Sempre me dizem isso.

Mulher: Bom eu tenho 26. Mas acho que eu pareço um pouco mais velha.

Padre: Ah sim?

Mulher: É. Acho que é por causa do trabalho.

Padre: O que você faz, minha filha?

Mulher: Sou corretora de imóveis.

Padre: Olha! Meu pai era corretor de imóveis na cidade dele: Ipameri.

Mulher: A família do senhor é de Ipameri?A minha também! Por parte de mãe.

Padre: Que coincidência, minha filha! Eu nunca fui lá, mas dizem que é lindo.

Mulher: É uma graça… Que nem o senhor.

pausa ainda mais longa que a anterior

Mulher: Padre. O que o senhor acha de a gente continuar essa confissão… fora da Igreja.

Padre: Continuar a confissão?

Mulher: É padre, a confissão, a confissão. Vai continuar sendo uma confissão. Só que no boteco ali da esquina.

Padre: Ali da esquina?

Mulher: Ou lá perto de casa, que fica a uma meia hora daqui.

Padre: Bom… Eu não sei…

Mulher: Poxa, padre. Eu não vou poder terminar minha confissão? O senhor vai fazer isso comigo?

Padre: Não é isso, minha filha.

Mulher: É só uma confissão.

Padre: Mas vai ser uma confissão, não é?

Mulher: Claro, padre claro. Ainda uma confissão.

pausa

Padre: Bom… É… Sendo assim, eu acho que não há mal.

Mulher: Ai, que bom, padre, que bom!

Padre: Mas com uma condição.

Mulher: Qual?

Padre sai do confessionário, olha para mulher, pega-a pelas mãos, levanta e fica face a face com ela. Ele olha bem nos olhos dela e diz:

Eu continuo te chamando de “minha filha”, e você me chame de “senhor”.



Texto de Rodrigo Nogueira

domingo, 19 de dezembro de 2010

Porra Murphy!

Sou revendedora natura (quem quiser compra comigo!) E nesse ultimo dia 17 tive uma trabalheira danada por causa das vendas mas tive uma ideia genial. Vou fazer os pedidos pela Internet, já que minha prima tem banda-larga vou na casa dela em vez de gastar uma fortuna na lan house. Genial!Eu ainda ia depois em uma festa de aniversário de um amigo meu, que só me avisou no dia que ia dar uma festinha, não queria demorar muito. Sabe o que aconteceu? Não consegui entrar no site porque estava muito cheio, quando estava indo embora torci o pé na escada mas consegui andar direitinho então achei que só tinha dado um mau jeito, estava louca pra ver uns amigo que não vejo faz um tempo por isso fui correndo tomar um banho, só que no meio do banho eu não conseguia pisar, tive que sair pulando do banheiro que, detalhe, é escorregadio pra cacete. Tive que ligar pra um amigo meu que ia o niver comigo e não sabia onde seria a festa (se fudeu). Ainda por cima passei a noite inteira sem dormir por causa da dor, tive que ouvir minha mãe reclamando que tinha que me ajudar com tudo sendo que eu é quem estava com dor e de manhã quando pedi para minha mãe me levar pro hospital ela disse que não podia pois tinha que trabalhar. Pediu para o meu irmão me levar e ele não quis  pois tinha que malhar, fiquei até meio dia com dor esperando minha mãe chegar em casa. Só que eu tinha marcado com uns amigos 12:30 e não deu pra avisar que eu não ia e não é que o doidão foi lá no hospital me ver. Fiquei pasma pois nem minha família estava querendo ir meu amigo foi, e eu que sou uma benção só fiquei preocupada em estar atrapalhando já que minha mãe tinha me dito que eu estava atrapalhando o dia dela (doce de pessoa). Em fim, tomei injecção na bunda, passei raiva com uma velha chata que só fala besteira e foi conversar com quem? Sim, claro, com a minha mãe!
Enfaixei o pé, estou pulando pra lá e pra cá porque não tenho muleta e não posso pisar, perdi o festa, perdi o empadão que meu amigo ia fazer para amigos, vou ficar 15 dias com essa bosta no pé, o que quer dizer durante o natal e o ano novo sendo que finalmente eu tinha o que fazer essa ano já que é o primeiro que eu ia ter onde ir e eu vou tirar essa porra no dia 2, no dia 2, e vou fazer fisoterapia, porque torci o pé. Conclusão: Eu fui Hitler na encarnação passada.

domingo, 12 de dezembro de 2010

Até Quando? - Gabriel o Pensador?



Não adianta olhar pro céu com muita fé e pouca luta
Levanta aí que você tem muito protesto pra fazer e muita greve
Você pode e você deve, pode crer
Não adianta olhar pro chão, virar a cara pra não ver
Se liga aí que te botaram numa cruz e só porque Jesus sofreu
Num quer dizer que você tenha que sofrer
Até quando você vai ficar usando rédea
Rindo da própria tragédia?
Até quando você vai ficar usando rédea
Pobre, rico ou classe média?
Até quando você vai levar cascudo mudo?
Muda, muda essa postura
Até quando você vai ficando mudo?
Muda que o medo é um modo de fazer censura
Até quando você vai levando porrada, porrada?
Até quando vai ficar sem fazer nada?
Até quando você vai levando porrada, porrada?
Até quando vai ser saco de pancada?
Até quando você vai levando porrada, porrada?
Até quando vai ficar sem fazer nada?
Até quando você vai levando porrada, porrada?
Até quando vai ser saco de pancada?
Você tenta ser feliz, não vê que é deprimente
Seu filho sem escola, seu velho tá sem dente
Você tenta ser contente, não vê que é revoltante
Você tá sem emprego e sua filha tá gestante
Você se faz de surdo, não vê que é absurdo
Você que é inocente foi preso em flagrante
É tudo flagrante
É tudo flagrante
Até quando você vai levando porrada, porrada?
Até quando vai ficar sem fazer nada?
Até quando você vai levando porrada, porrada?
Até quando vai ser saco de pancada?
Até quando você vai levando porrada, porrada?
Até quando vai ficar sem fazer nada?
Até quando você vai levando porrada, porrada?
Até quando vai ser saco de pancada?

A polícia matou o estudante
Falou que era bandido, chamou de traficante
A justiça prendeu o pé-rapado
Soltou o deputado e absolveu os PM's de Vigário
Até quando você vai levando porrada, porrada?
Até quando vai ficar sem fazer nada?
Até quando você vai levando porrada, porrada?
Até quando vai ser saco de pancada?
Até quando você vai levando porrada, porrada?
Até quando vai ficar sem fazer nada?
Até quando você vai levando porrada, porrada?
Até quando vai ser saco de pancada?

A polícia só existe pra manter você na lei
Lei do silêncio, lei do mais fraco:
Ou aceita ser um saco de pancada ou vai pro saco
A programação existe pra manter você na frente
Na frente da TV, que é pra te entreter
Que pra você não ver que programado é você
Acordo num tenho trabalho, procuro trabalho, quero trabalhar
O cara me pede diploma, num tenho diploma, num pude estudar
E querem que eu seja educado, que eu ande arrumado que eu saiba falar
Aquilo que o mundo me pede não é o que o mundo me dá
Consigo emprego, começo o emprego, me mato de tanto ralar
Acordo bem cedo, não tenho sossego nem tempo pra raciocinar
Não peço arrego mas na hora que chego só fico no mesmo lugar
Brinquedo que o filho me pede num tenho dinheiro pra dar
Escola, esmola
Favela, cadeia
Sem terra, enterra
Sem renda, se renda. Não, não
Até quando você vai levando porrada, porrada?
Até quando vai ficar sem fazer nada?
Até quando você vai levando porrada, porrada?
Até quando vai ser saco de pancada?
Até quando você vai levando porrada, porrada?
Até quando vai ficar sem fazer nada?
Até quando você vai levando porrada, porrada?
Até quando vai ser saco de pancada?

Muda, que quando a gente muda o mundo muda com a gente
A gente muda o mundo na mudança da mente
E quando a mente muda a gente anda pra frente
E quando a gente manda ninguém manda na gente
Na mudança de atitude não há mal que não se mude nem doença sem cura
Na mudança de postura a gente fica mais seguro
Na mudança do presente a gente molda o futuro
Até quando você vai levando porrada, porrada?
Até quando vai ficar sem fazer nada?
Até quando você vai levando porrada, porrada?
Até quando vai ser saco de pancada?
Até quando você vai levando porrada, porrada?
Até quando vai ficar sem fazer nada?
Até quando você vai levando porrada, porrada?
Até quando vai ser saco de pancada?

segunda-feira, 6 de dezembro de 2010

Clarice Lispector

"Não quero ter a terrível limitação de quem vive apenas do que é possível fazer sentido. 
Eu não: quero é uma verdade inventada"


"Sou como você me vê. Posso ser leve como uma brisa ou forte como uma ventania, 
Depende de quando e como você me vê passar. "

"Até cortar os próprios defeitos pode ser perigoso. Nunca se sabe qual é 
o defeito que sustenta nosso edifício inteiro."

"Porque eu fazia do amor um cálculo matemático errado: pensava que, somando as
 compreensões, eu amava. Não sabia que, somando as incompreensões
 é que se ama verdadeiramente."

"O que saberás de mim é a sombra da flecha que se fincou no alvo."

Ela acreditava em anjo e, porque acreditava, eles existiam.

É uma infâmia nascer para morrer não se sabe quando nem onde.

quinta-feira, 2 de dezembro de 2010

Hipocrisias a parte...



Sempre fui do tipo que faz o que é certo e aguenta as conseqüências, mas também sempre soube que sou uma das pouquíssimas pessoas que são assim por isso nunca esperei que os outros também fizessem mas acho que por causa dessa minhas característica que para mim é tão fácil e natural eu não consigo entender a lógica da hipocrisia sendo que na verdade para muitas pessoas que eu observo isso parece ser natural, tanto de se ver quanto de se praticar. Só para mim não há nada que me tire mais do sério, quem me vê por ai e não tem muita intimidade me vê como uma garota quieta (até demais) mas saibam que apesar de eu não falar muito eu vejo e escuto tudo por isso não se surpreenda se em um momento de hipocrisia de sua parte eu lhe der um esporro na primeira oportunidade pois quando não tenho nada com o assunto guardo minha opinião para mim porem se alguém me dá uma brecha, já era. Mas vamos voltar ao foco. Nada me deixa mais puta que por exemplo, você estar na igreja todo fim de semana mas quando sai de lá não respeita nem se quer um dos mandamentos. Se você é uma pessoa assim, beleza mas se depois você vir com a ideia de me encher porque eu não gosto de religião vai ouvir umas boas pois apesar de não gostar de igreja, religião e por ai vai, sou mais correta que muito religioso por ai, estou melhor até que muitos padres e pastores por isso saibam que nem eles escapariam da minha língua se viessem com essa história também.OK na verdade estou comentando isso porque tem um pessoal tentando me convencer a me "manter mais perto de Deus" mas sinceramente, não entendi ainda o que liga uma coisa a outra. Sim claro que a igreja é o local onde vamos para louvar ao senhor mas eu acho que esse Deus que tanto louvam é um prepotente pois se ele é minha imagem e semelhança eu ia querer que esse pessoal gastasse seu tempo melhor do que me louvando, tipo dando real valor a sua vida pois segundo os religiosos e o maior presente que recebemos do Grande. Está bem também compreendo que a religião une as pessoas para que assim elas melhorem mais facilmente mas vamos voltar a falar de hipocrisia. A maioria das pessoas que vivem para a igreja não conseguem dar um jeito na própria vida por isso vão para a igreja mais é pra falar mau dos outros então para de me encher por que as pessoas mais Hipócritas que eu conheci na vida são muito religiosos e como eu já disse não há nada que me tire mais do sério então faça o favor de enfiar essa porra de religião no rabo em vez de me encher falando que eu preciso ir pra igreja.

domingo, 31 de outubro de 2010

Deixe-me sonhar



Outro dia eu estava comentando com a minha mãe sobre um amigo que vai largar o curso técnico para se focar no teatro, o fato é que ele viu que era isso que ele queria da vida dele e seria perda de tempo ficar estudando pra caramba para algo que não vai ter continuidade mas quando disse para minha minha mãe ela achou um absurdo largar um curso de técnico para virar ator. Fiquei puta, porque é um absurdo? Eu não vejo nada demais não se ele for um bom ator pelo menos, na verdade mesmo se ele não for assim tão bom se ele quiser mesmo quiser de verdade ele vai batalhar para isso.

Sou adepta da filosofia do seja bom no que quer que for mas seja realmente bom que vão lhe dar valor. Mas será que não é por isso que muitos desistem dos seus sonhos? Por pessoas como a minha mãe que lhe dizem que sonhar é perda de tempo a realidade te obriga a ser o infeliz em uma profissão estável mas da qual você nunca vai conseguir realmente se aplicar.

A pouco tempo eu fui ver a apresentação de uma peça com esse meu amigo, adivinhem só ele era o principie encantado (quem conhece ele sabe que ele bem tem cara de príncipe ;P).Fico feliz em dizer que na ultima cena fiquei chocada de tão boa. Ele devia olhar com cara de apaixonado para a garota e fez uma cara de tão apaixonado que o meu coração deu um pulo derrepente e quase não resisti de dizer um haaaaa de fofo que ficou. Logicamente fiz questão de dizer isso para a minha mãe(menina má). Ele ainda tem umas melhorias a fazer (eu tenho que falar porque isso aqui já está ficando meio fofo demais) mas dá para ver que ele tem muito talento. Ainda tenho que dizer adorei a cara de "fazer o que né?" quando seu par romântico começou a falar de sua beleza extraordinária(pena que não deu para tirar foto):

- Você é tão forte, tão musculoso, tem os dentes tão brancos e certinhos.

Quando ele começa a falar com ela só escuto uma menina do meu lado:

- E que voz em. - rachei de rir, nem ouvi o que ele disse na hora.

Bom em fim, votando ao texto, tentem não fazer isso com seu filhos, sobrinhos, amigos e por ai vai, muitas pessoas tem tanta vontade de fazer algo mas deixam de fazer por não só falta de apoio mas por destratamento (essa palavra existe?), ai se elas não conseguirem não vão ter só o derrota a assumir mas ainda terão que ser humilhados por tentarem.

Um recado para os que sofrem com esse tipo de coisa, tentem, e não se sintam envergonhados disso pois corajosos são os que tentam fazer algo da sua vida mais do que o óbvio mais do que o mais fácil e só vocês tem a chance de serem felizes de verdade.

domingo, 10 de outubro de 2010

Mystic River: ELe e ElA

Mystic River: ELe e ElA: "Foi exatamente assim que essa história começou. Ele vivia numa pequena cidade no Sudeste do país. Nascido e criado na mesma cidade por sua família simples. O pai trabalhava na administração de uma empresa religiosa em ascensão, que no final das contas, não lhe rendera mais que perturbações. A Mãe dividia seu tempo entre os afazeres domésticos e uns pequenos bicos que fazia para ajudar nas despesas de casa. Ele ainda terminava o Ensino Médio sem maiores ambições. Tinha um serviço não muito bom, mas que o proporcionava levar algum pra casa para dar sua contribuição.

No que se referia a características dele, sabíamos que era humilde, do tipo capacho dos outros, meio bipolar, hora estava bem, hora mal,podemos considerar mais mal do que bem. Não podíamos dizer que estava apaixonado, mas tinha certa atração pela colega mais bonita de sua classe, que embora ele nunca tivesse descobrido se ela havia sacado sua imensa afeição por ela, não seria ele quem fosse contar. Era tímido demais o pobre imbecil. Mas acreditava que ela soubesse sim, sempre que ela se referia a ele, usava um charmezinho atipicamente cruel, e seus olhos brilhavam enquanto jogava seus cabelos, sem dúvidas, para que ele pudesse sentir o seu cheiro. Nesses momentos eram onde suas confusões o assolavam, queria se aproximar, mas ela era ela, e ele... Apenas Ele. Tinha medo dela, de uma possível e inevitável rejeição, assim como sempre tivera medo de relacionamentos, não era pra menos, nunca tivera sido feliz em um dos anteriores.

Ele era um babaca.

Quanto a Ela, não a garota da escola, Ela, A “Ela” da nossa história...


Gostou? Quer continuar lendo? então entra aqui e não esquece de comentar que fui eu quem indicou.

quarta-feira, 6 de outubro de 2010

Sinceridade a flor da pele

Muitos reclamam do meu jeito não muito gentil,sou meio direta demais para alguns.
Sinceramente? Que reclamem, sem querer parecer prepotente se não gostas se
afastem, vou entender, ninguém é obrigado a gostar de mim, eu aceito isso e não
vejo motivo nenhum para mudar pois prefiro ser assim já que eu sei que só quem
gosta mesmo de mim convive comigo e pode ter certeza tenho um bocado de amigos.
Agora pense bem, o que é melhor? Uma garota chata, mas sincera que está sempre lá
quando você precisa e te fala o que você tem que ouvir mas ninguém tem coragem de
dizer ou uma "miguxa" grudenta que diz o tempo inteiro que te ama mas te larga na
briga mais boba possível?
E pode crer quem me conhece sabe que se sou “direta” com você é porque gostei de
você se não eu te ignoraria que é mais prático. Te falo a verdade? Me importo.
Revelando um segredo apesar de não demonstrar muito sei ser carinhosa e gentil,
até doce e quando eu for com você, vai saber que fui porque você eu já não quero
que se afaste de mim porque nesse caso eu já gosto muito de você. Não é mais
prático assim? Comigo você sabe que eu estou sendo sincera quando demonstro mais
diretamente meu afeto pois isso já não é pra qualquer um, só para os amigos mais
especiais. Ser legal com todo mundo não tem graça, legal é saber que com você eu
sou diferente porque você é especial. Agora, quando estou muito puta dendo a
descontar na pessoa mais idiota que me aparecer, lhe falo tudo que penso e que
nunca falei pois como disse, é mais fácil ignorar mas eu P da vida e você bem
idiota ver mecher comigo, vai ouvir mais acho que você vai notar que ai eu já não
sou sua amiga e não estou querendo lhe dizer algo para o seu bem eu estou é
querendo que você me deixa em paz, que vá pro diabo que lhe carregue, mas não pode
ser tão difícil diferenciar vai.

segunda-feira, 4 de outubro de 2010

A menina que roubava livros

Alemanha, 2ª Guerra Mundial, Nazismo, já dá para ter uma pequena noção só que ao contrário da maioria dos livros sobre o assunto aqui vemos o lado dos alemãos que não concordavam com o nazismo, os que mantiveram em suas casas os judeus escondidos, na verdade é uma história sobre uma menina que tem uma visão diferente do mundo e uma estranha paixão, livros, só que ele nem ao menos sabe ler. Tudo começou com Lisa em um trem com sua mãe e irmão, o pai já havia sumido a muito tempo, sua mãe achou para ela e seu irmão uma família adotiva, foi nessa viajem que Lisa perdeu o irmão e daí começaram as suas perdas, como diz a sinopse do livro, "uma menina mestre na arte de ser deixada para traz" encontrou refujiu nos livros, no interro de seu irmão roupou o livro do aprendiz de coveiro, livro estranho para uma garotinha mas desde então não parou de roubar livros, conseguiu alguns que lhe foram dados mas os roubados era melhores. Depois de ser largada com uma família estranha a quem deveria chamar de papai e mamãe, uma amigo judeu foi morar em sua casa.
Esse é meu livro favorito não só porque adoro a 2ª guerra mas também por sua peculiar narradora, a morte. Não o livro não é macabro como a própria morte se apresenta, "não sou má, não sou cruel, sou um descanço". Markus Zusak com seu jeito peculiar de escrever fez com que eu me apaixonasse por essa estória triste e com uma verdade cotivante, ele mostra o mundo real que é triste e medonho mas também pode ser doce e sensível. Recomendo a quem gosta de ler e sabe adimirar uma boa estória compre o livro mas quem não gosta tanto assim ou não gataria RS20,00 com isso pode baixar aqui, mas eu particularmente tive que comprar o livro, é sério já li umas 15 vezes em dois anos. Super recomendado.

sábado, 2 de outubro de 2010

Quase tudo, quase nada, quase...






Olhe para mim! O que você vê? Uma menina? Uma mulher? Dois pares de coxas? Não sou nem um nem outro e nem falo sobre o terceiro, sou um alguém com nome e bem mais do que corpo, sou um cérebro pusante mas que (quase)ninguém nota, sou uma alma confortante em que (quase)todos pisam, mas as vezes aparece alguém o me nota, como sou, quem sou, e se apaixona, daí não ligo para nenhuma das outras

domingo, 5 de setembro de 2010

Chata assumida



O óculos da Taylor Momsen é falsificado mas esta valendo

Sempre fui bem chata com roupa, calça, assessórios, em fim, com tudo basicamente. O fato é que se eu quero uma calça jeans ela tem que ser reta, escura, tecido pesado e sem muito enfeite, e hoje em dia só se acha calça super justa mas no momento não quero uma calça que dê para ver o meu útero, eu quero uma calça simples, confortável e que dure bastante e só quero essa calça. Justamente por essa chatice de só querer exatamente como eu quero eu sofro bastante quando vou comprar qualquer coisa ainda dano em ser diferente me fodo duplamente. Eis que faz um tempo que estou precisando de um óculos de sol só que eu não gosto desses óculos que tampam metade da cara ou com um monte de frescura na alça mas é o que está na moda e achar algo de boa qualidade que não esteja na moda e difícil, acabou que a algum tempo achei um óculos que eu amei - o que é engraçado pois a maioria eu odeio esse já amo de mais  que é pra equilibrar - no momento estou apaixonada pelo óculos da ray ban wayfarer, porque ele é simples mas muito estiloso e está fora dessa recente moda perua, ele é simplesmente cool porem discreto, se bem que agora danou a ter deles super coloridos agora - esse povo que acha que ter estilo é ser espalhafatoso me irrita - Agora, adivinhem só quanto custa esse milagre que é eu gostar de alguma coisa? R$750,00 aqui na minha cidade. Puta que pariu sou danada pra gostar de coisa cara e essa porra só é cara porque é de marca. Só que recentemente aconteceu outro milagre dele estar em promoção por R$478,90 e ainda por cima é financiado em 6 vezes sem juros no boleto... Deus existe, Deus existe.
Muito bem, antes de ter um troço eu tenho que lembra-los de que eu estou operada e não posso sair de casa durante um mês o que quer dizer que até lá com toda a certeza o raio da promoção acabou ¬¬ ...
Puta que pariu um milhão de vezes.Eu falo que eu tenho Karma, eu falo eu eu fui Hitler na encarnação passada e nessa estou pagando por tudo, desgraceira.

domingo, 29 de agosto de 2010

Figurante

Você já olhou uma foto sua e viu um estranho no fundo? Te fez perguntar, quantos estranhos tem uma foto sua? Quantos momentos da vida dos outros nós fazemos parte? Ou se fomos parte da vida de alguém quando os sonhos dessa pessoa se tornaram realidade? Ou se estivemos lá quando os sonhos dela morreram? Nós continuamos a tentar nos aproximar Como se fôssemos destinados a estar lá. Ou o tiro nos pegou de surpresa. Pense... podemos ser uma grande parte da vida de alguém... e nem sabermos.

One tree hill

Fotos

























segunda-feira, 23 de agosto de 2010

"Muita merda pra você"


Muita merda pra você! Ou apenas Merda! É assim que os atores e personas do mundo teatral desejam sorte um para o outro. Por mais que seja engraçada essa forma de querer o bem, esta frase, nascida na França de Molière, o berço do teatro moderno, vem sendo repetida a séculos por todo o mundo. Sua conotação de bonância partiu da grande quantidade de escrementos deixada pelos equinos que puxavam as carruagens que por sua vez levavam os nobres para apreciar os espetáculos teatrais, e quanto mais carruagens nos estacionamentos perante ao teatro, mais merda espalhada ao final do espetáculo e desse modo a enorme quantidade da mesma representava o quanto foi concorrido o evento daquela noite. Ao passar do tempo, a cada início de temporada o mais esperado entre os artistas envolvidos era exatamente “muita merda” espalhada por todo o redor do teatro, e assim foi se criando o hábito de desejar: MERDA!
Se assim é, desejamos aqui para nossa nova coluna dedicada ao teatro exatamente isso, MERDA!

domingo, 22 de agosto de 2010

Vida Ingrata

Dia 19 eu operai de novo e de novo foi a mama só que dessa vez foi em um hospital público da outra vez eu a SUS tinha um convênio com uma hospital particular. Confesso que estava cheia de preconceito e não é por menos. O fato é que em hospitais particulares meio que os empregados são obrigados a serem educados os pacientes o que no caso deles nem é tão difícil já que eles não recebem tão pouco quanto os que trabalham na área pública. O caso é que normalmente eu nem gosto de simpatia forçada mas no caso eu ia é amar. Nervosa pra caramba eu só pensava "Ainda bem que o corte é pequeno se não ia acabar esquecendo o bisturi dentro de mim". Acabou que o nervosismo foi ainda pior do que eu pesei já que a enfermeira estava enrolando pra trocar o porra do lençol do leito, dizendo que a paciente anterior não tinha nem deitado lá. A porra do lençol esta molhado e completamente amarrotado, se alguém não deitou lá foi um fantasma. Mas não é que a vaca velha nem passou a droga do álcool no colchão que é envolto em plástico justamente pra isso. Daí eu pensei, se ela deixa tão na cara assim que o hospital não tem higiene imagine o que não devem ter lá dentro na sala de cirurgia que ninguém pode entrar, fudeu, vou pegar infecção hospitalar, essa pragas vão comer é uma pizza frita em cima de mim no meio da operação, fudeu, me tira daqui, socorro. Eu estava tendo um troço, ainda tive que ver a delicadeza da mesma enfermeira com um garoto de uns 13 anos que estava voltado da cirurgia dele, o garoto lá dopado e ela tinha que passa-lo da maca para o leito, que que a cavala diz? "Se arrasta ai pra cama." Me segurei para não bater na velha azeda, porra, o garoto não estava entendendo nem o próprio nome e tinha que se arrastar até a cama. Pior é que ela vez a mesma coisa comigo sorte que eu estava tão ruim que nem o meu vai tomar no cu saiu direito.
E o médico que atendeu a outra paciente no meio do corredor, eu já estava nervosa anda tinha que ver essas coisas? A senhora estava lá conversando com ele e eu já estava falando com a minha mãe:
- Daqui a pouco ele manda ela levantar a blusa pra checar o coração, ainda bem que ele não é ginecologista.
- Essas pragas já ouviram falar em privacidade?
- Interessante, ela esta contando sobre o caroço que apareceu na bunda dela, se essa anta arriar as calças dela eu saio correndo.
Legal era a velha mostrando a necessair dela cheia de remédios, mó maleta.

Quando me levaram pra sala do pré operatório eu já nem estava tão nervosa, na verdade eu mal lembrava onde estava é que minha pressão estava muito baixa por que ter ficado 7 horas sem comer nem beber nada e o estresse não ajudou muito. Mas lá tinha uma médica que não sei como não conseguia achar minha veia... eu sou branca pra caralho como assim não esta achando minha veia, compra um óculos.  A vaca ainda ficou rodando a droga da agulha dentro do meu braço. Chegou foi uma enfermeira querendo assistir, parece que era novata e queria ver como é a cega da médica disse que estava apanhando da minha veia, reclamando mesmo na cara dura e com a maior grosseria, eu que nem ruim consigo ficar quieta mandei um "imagine eu que to levando a agulhada". Ela não gostou muito e aí começou a ser ainda mais desagradável comigo. Pior foi um outro médico que estava por lá e pelos papos que eu ouvia era o garanhão do pedaço, não é que o corno estava tentando me espiar, foi ai que eu agradeci que a médica que estava comigo era uma grossa, ela enxotou o maluco.

Foi muito diferente quando finalmente me levaram para a sala de cirurgia, o médico FDP que me operou da outra vez não estava lá. Foi outro clima, um pequeno exemplo de como a minha médica sim se importava com os paciente é que ela me dopou antes da cirurgia, coisa que a outra anta não tinha feito. Que diferença, nada de terror psicológico.

Ainda bem que agora eu estou em casa e sem poder fazer nada, na verdade era para eu estar de repouso mas eu não to afim de ficar olhando pra teve em pleno domingo, só tem coisa inútil.. Estou tentando convencer minha mãe a fazer uma conta em alguma locadora porque ta foda mas ela tem sisma dizendo que não vai ter dinheiro para pagar depois, mesmo eu tendo dito que se paga é quando vai pegar o filme mas deixa pra lá, não posso me estressar. Agora eu só vou tirar os pontos dai 3 e só vou poder me locomover como antes lá pelo dia 18. Socorro, estou precisando de umas visitinhas e que elas venham de preferência com uns dvds e uns livros pra me emprestar.
O triste é que por enquanto eu só vou do curso pra casa e da casa pro curso pois eu não posso andar de ônibus e meu pai nunca que vai me levar nos ensaios do teatro - já estou com saudade - Acho que vou falar pro meu pai que tem umas garotas gostosas lá, acho que assim ele vai, só vou ter e aguentar ele babando ns meninas. Esquece, vou ficar em casa mesmo.
Fui...............................

segunda-feira, 9 de agosto de 2010

Luxúria



Peça incrível, fala sobre os sete pecados capitais e dá muita força ao poder feminino. divertida, engraçada, verdadeira e inteligente. Essa peça vai mexer com você.
Os seis atores passaram a peça inteira de roupa intima, serão vários personagens em várias situações comicas, trágicas e/ou impactantes. Senas intensas que farão você pensar e se surpreender.

domingo, 8 de agosto de 2010

Adorável Flerte







Odeio quando você me analisa
Odeio como você sempre acerta nas análises
Odeio como nunca consigo disfarçar seu acerto
Odeio nunca conseguir mentir pra você
Odeio perceber você me observando milimetricamente,
cada gesto meu procurando reações que me entreguem
Odeio o seu olhar quando faz isso
Odeio quando você me provoca, testa meus limites
Odeio quando você para ao perceber que o atingiu
Amo te analisar
Amo perceber que acertei nas análises
Amo quando percebo seu nervosismo ao tentar mentir
Amo reparar cada detalhe do seu corpo e o ver se entregar
Amo seu olhar assustado, porém excitado quando me descobre fazendo isso
Amo te provocar e o faço aumentar o limite
Amo quando me faz parar quando o atinjo, quase lhe fazendo ultrapassar o seu próprio limite
Amo seu olhar de quem está querendo muito ultrapassar todos os limites.

Garotas que escrevem - Li este texto no blog Depois dos Quinze, só uma palavra, perfeito.

sexta-feira, 6 de agosto de 2010

A Cabana



Semana passada eu li o livro "A Cabana" e achei ele incrível e por isso resolvi falar um pouquinho dele aqui. A história retrata um homem que se encontrou com Deus e com ele aprendeu sobre o que realmente é Deus. Tenho que dizer que o autor é mesmo muito observador, aprendi muito com esse livro, me abriu os os olhos para muitas coisas que eu não havia observado e muitas outras eu já notara e só vez reforçar minhas teorias. Esse Deus retratado no livro é bem melhor do que esse Deus prepotente e autoritário que sempre vemos nas igrejas, do qual eu nunca concordei. Recomendo.

www.acabana.com.br/

quinta-feira, 5 de agosto de 2010

Teatro

Durante as féria do FAETEC eu fiz teatro junto com um amigo e tenho que dizer que foi uma experiência incrível, vou tentar continuar fazendo ao menos nos sábado pois eu não só amei aprender um pouco mais sobre mim mesma pois no teatro temos que ter essa percepção mas também conheci tanta gente incrível, e olha que eu sou chata, sempre me dizem que eu não gosto de ninguém mas eu amei todos de lá. Ninguém lá tinha a frescura de me perguntar com quem eu ficaria de lá ou o top five dos mais gatos. Me assustei um pouco com a intimidade que eles tem com todo mundo, pra mim não é lá muito fácil me expor tanto mas melhorei muito. Todos são muito carinhosos e divertido, todos tem o coração aberto e a cabeça feita. Não sei se dei sorte de entrar em um bom grupo mas tenho que dizer que amos todos desse grupo.






"Não tente, faça" 





"tuzão"

O que eu mais gostei lá é que todos sempre me incentivam a ser mais eu mesmo, nada de julgamento, cada um é um mas devemos sempre crescer mais.



"vale nada essa ai" 




Todos essas pessoas me aceitaram muito bem e me permitiram fazer parte de suas vidas. Com eles desenvolvi meu lado cruel, um pouco da minha sensualidade, alto confiança, afeto e companheirismo.






























www.ciaintervalo.com.br

Resposabilidade

Sou louca para trabalhar desde os meus 16 anos mas minha mãe não permitia por achar que atrapalharia na escola e agora com 18 já não posso pois vou fazer uma cirurgia, é um tormento, mas tenho vontade de trabalhar não só pelo dinheiro extra sem dar satisfação de com o que vai gastar mas principalmente porque é bom ter um emprego, enobrecer a pessoa, dá responsabilidade, disciplina e por isso nunca consegui entender esse povo de vinte e poucos anos que fica pedindo dinheiro para a mãe, viver na casa dos pais tudo bem, é difícil morar sozinho e ter que manter tudo em ordem como a mamãe faz mas daí a ficar pedindo dinheiro pra comprar gasolina por exemplo, pior é se for pra comprar cigarro, se toca meu. Claro que isso é a minha opinião, cada um cuida da sua vida, concordo que é bem cômodo deixar tudo com os pais mas eu realmente não consigo entender isso, sempre fui muito de me virar sozinha, sou louca pra sair de casa e cuidar das minha coisas, ou seja, quero crescer logo enquanto muitos ainda querem o conforto do colo da mãe. Sério, não estou destratando, a vida é sua e a mãe também mas meu desejo de me virar é muito grande só que ainda não posso, tenho que esperar daí eu vejo quem já pode mas não quer e lógico que vai me incomodar.

domingo, 1 de agosto de 2010

Olho vivo






Já faz algum tempo - uns 5 anos - eu vi no Programa do Jô uma mulher falando sobre uma peça que ela estava apresentando, eis que aquele pequeno trecho que ela comentou, mudou minha vida. Se tratava de uma daquelas estórias para ensinar valores que era mais ou menos assim:

Uma viuva que tinha consigo sete filhos um belo dia ganhou uma galinha, religiosa que sempre foi, antes de comer a galinha foi para a igreja perguntar ao padre se ela podia ou não matar a galinha o padre então foi para seus livros estudar o caso. Passou-se um tempo e a padre decidiu que não poderia matar aquela galinha já que se tratava de um ser vivo que assim como todos merece viver então pediu a sua governanta para entregar a galinha  mulher e lhe dizer para não matar a galinha e a governanta foi porem, disse a mulher que ela podia matar a galinha, o padre mais do que irritado, indignado perguntou a governanta porque disse aquilo a governanta respondeu - O senhor olhou para a galinha e olhou para os livros e decidiu que não se podia matar a galinha, eu olhei para a galinha e olhei para aquela família faminta e decidi que podiam sim matar a galinha.

E a melhor frases de todas - "É preciso saber quando o certo é certo e quando o errado é errado mas principalmente quando o certo é errado e o errado é certo" - Sempre existe um porém e por isso sempre me irritei com pessoas muito religiosas que seguem a bíblia ao pé da letra, olhe a sua volta antes de definir.

Além do fato da governanta ter notado isso e não o padre (realista) outra coisa que adorei foi o exemplo dado que foi definido a tanto tempo como exceção, matar para se alimentar que ninguém percebe que na bíblia está escrito não matarás a nenhum outro ser vivo. 

domingo, 25 de abril de 2010

A Procura

Não sei porque escrevi esse poema, só veio a minha mente.
Por favor não o leve muito a sério, não sou assim tão infeliz, só me deu vontade de escrever.
A unica vez que escrevi um foi na 4 ª Série. Gastei 2 páginas escrevendo e nem sei porque nunca mais tentei. Não gostei muito desse, acho que ficou sem sentido mas foi o que deu pra fazer. Lembrei porque nunca mais tentei, eu sou chata pra caramba desde de pequena.

Vivo triste nessa casa.
Achava que era uma fase;mas as coisas só pioram.
Não espero que volte ao normal;
As coisas nunca voltaram ao que era antes.


Quando estou na rua com meus amigos;
Imploro pra não irmos embora.
Não quero voltar para casa
Invento mil pretestos para ficar
Fico como quem diz a si mesmo:


Preciso sorrir, preciso sorrir;
Preciso ser feliz;
Por alguns instantes;
Por só mais alguns instantes.
Só mais um pouco.


Fico triste nessa casa.
Esse vazio no peito.
Sempre fico me perguntando:
Quando vai passar?
Será que vai passar?


Não quero ir embora.
Quero ficar aqui.
Quero ser feliz aqui.
Preciso sorrir.
Preciso sair.